Como gastar melhor?

Decerto, você já ouviu falar algumas vezes que deve ser estabelecida uma relação saudável com seu dinheiro. Mas, mesmo assim, você sente que não aproveitou muito bem o que você recebeu. E, no final do mês, você sente aquele aperto de contas batendo mais uma vez na porta.

Neste texto, tento fazer você saber como curtir mais o seu dinheiro. Afinal, não trabalhamos tanto para nem sentir o gostinho dele. Os três tipos de gastos abordados aqui serão: essenciais, desperdícios e supérfluos.

Como gastar melhorOs gastos essenciais são aqueles necessários à sua sobrevivência diária. Aqui são citados os principais, como moradia, alimentação, saúde, transporte e educação. É visto em muitas fontes que estas despesas deveriam totalizar entre 50% a 60% da sua renda. Porém, essa porcentagem é muito relativa e varia conforme suas entradas de dinheiro. Pois, para uma pessoa que ganha até dois salários mínimos (por exemplo), é muito desafiador manter as despesas essências do dia a dia abaixo de 60%. Enquanto que, para outra pessoa que tem uma renda muito maior, é possível sobreviver essencialmente gastando menos que 50% da sua renda.

Como gastar melhor 2Já os gastos com desperdício devem ser totalmente evitados. São os casos de juros por atraso de alguma conta que você não se planejou para pagar, tarifas de cartões que não são necessárias, ou até mesmo aquela mensalidade da academia que você não aparece há mais de um mês.

Se você percebe que está dentro de uma situação parecida com as de cima, mude a sua postura. Afinal, vale a pena gastar o seu batalhado dinheiro com despesas que você sabe que são desperdícios? Pois é, para mim não.

Por último, os gastos supérfluos. Estes estão fortemente ligados ao seu estilo de vida. São aqueles referentes a suas vontades e gostos cotidianos e que, friamente, não são necessários para a sua sobrevivência. Entre eles: cafezinho depois do almoço, festa com amigos, viagens a lazer, jantar fora com a família, gastos com estética e roupas, pacote de canais para TV, celular novo e inúmeros outros.

Como gastar melhor 3O que muitos não entendem é que esses tipos de gastos não devem ser eliminados. Os supérfluos dão sabor à vida. É necessário ter uma relação saudável com o dinheiro. Da mesma forma que você batalhou para conquistá-lo, você deve apreciar os benefícios proporcionados por ele. Obviamente que uma vida impulsiva cheia de supérfluos não agrega valor, assim como uma vida sem eles não teria prazer. Como tudo na vida, deve haver equilíbrio.

Então, qual é segredo?

O segredo não é parar de gastar, mas gastar melhor. Para isso acontecer, são exigidas duas habilidades um tanto complexas, mas que todos podem desenvolver: disciplina e autoconhecimento.

Disciplina é a base de uma vida financeira saudável. Controlar o seu perfil de consumo, saber distinguir algo que você pode ou não comprar, conseguir estabelecer suas metas e manter-se atrelado a elas, tudo isso exige disciplina. É muito difícil encontrar uma pessoa desregrada que tenha uma boa saúde financeira.

Já autoconhecimento é essencial para identificar em que vale a pena gastar. Talvez, a questão chave seria conseguir identificar as coisas que te trazem prazer proporcional ou maior que o custo delas. Será que aqueles 50 reais gastos num happy hour com aquele pessoal do colégio com quem você já não se importa tanto lhe proporcionaram um ótimo momento? Será que aquele casaco de 290 reais que foi usado uma vez e guardado no armário desde então valeu algumas horas do seu tempo de trabalho? Ou será que se tivesse gastado esse dinheiro em uma viagem estaria mais realizado hoje?

Infelizmente eu não posso respondê-las por você. Só você consegue avaliar essas perguntas e só você sabe dizer o que o deixa mais satisfeito e feliz.

Lembre-se de que cada real gasto com algo não tão interessante, é um real mais longe do seu tão almejado objetivo.

 

Início